Por que os cachorros são proibidos de frequentar a maioria das praias?

Existe uma campanha feroz dos donos de cachorro para que seus pets possam frequentar as praias Brasil afora, mas você sabe porque os animais são proibidos de dividir o litoral com seus donos? Muita gente fala e defende a causa sem saber, mas a verdade é que cachorros não podem frequentar as praias porque fica impossível sabermos quem realmente segue protocolos de prevenção contra parasitas como vermes e protozoários de forma correta.
 
Com um exame de fezes básico (chamado coproparasitológico) é possível saber se seu pet está com verminose, mas com qual frequência ele é submetido a tal análise? Vermifugações frequentes também podem ser uma alternativa, mas quem garante que seu cachorro não seja contaminado a qualquer momento em uma volta no quarteirão ou em um passeio pelo parque?
 
 
 
Claro que queremos nossos cachorros – e até gatos, por que não? – conosco por todos os lugares, mas é preciso consciência e saber que nem todos têm os mesmos cuidados que nós. Levar um animal com verminose para praia não apenas coloca outros cachorros e gatos em risco, mas também humanos, crianças e todos aqueles que passarem por lá.
O “bicho geográfico”, inclusive, é uma das doenças mais comumente adquiridas pelas praias e, sim, é transmitida por um tipo de ancylostoma, um dos vermes mais comuns em animais de estimação. 
 

Como pegamos “bicho geográfico”?

Quando um cachorro ou gato com ancilostomíase defeca na areia, ele libera ovos do parasita. Naquele ambiente quente e úmido, ele encontra o local ideal para aguardar um outro animal para parasitar e é aí que seres humanos podem ser suas vítimas. Ao adentrar na pele de nosso pé, a larva migra pelo corpo deixando uma espécie de “rastro” por onde passa. A coceira é intensa e em muitos casos causa bolhas que podem infeccionar. Como o homem não é ser hospedeiro, seu ciclo não é completado como acontece com cães e gatos e o verme morre. Medicamentos via oral ou local podem amenizar os danos e cessar o problema de forma mais rápida.
 

Ancylostoma em animais 

Apesar de causar poucos danos aos seres humanos, o ancylostoma caninum resulta em prejuízos para os pets. Em casos mais graves, pode levar o animal à morte por anemia ou por má absorção de nutrientes – uma vez que se aloja no intestino delgado do animal. Seu tratamento depende dos sintomas, mas sua prevenção é fácil, sendo necessário apenas o controle de parasitas internos por medicamentos vermífugos ou exames de fezes regulares.